Mestrado Profissional em Economia Criativa, Estratégia e Inovação

Aulas

Às sextas-feiras e aos sábados

Data de início

02/08/2024

Modalidade

Presencial

Modalidade: Presencial

Data de início: 02/08/2024

Período: Noturno e vespertino

Duração: 4 Semestres

Aulas: Às sextas-feiras e aos sábados

Horário: Às sextas-feiras das 18h45 às 22h30, e aos sábados das 8h às 16h30

Rio de Janeiro

Mestrado Profissional em Economia Criativa, Estratégia e Inovação

Selecione a opção do curso para continuar

Eventos ESPM

Conheça todos os detalhes do nosso curso, converse com o coordenador e decida o futuro da sua carreira.

Sobre o curso

Mestrado Profissional em Economia Criativa, Estratégia e Inovação

A economia criativa é composta por atividades que produzem bens e serviços repletos de valores simbólicos, culturais e intangíveis que são determinantes na formação de seus preços, ou seja, na geração de valor econômico. Nesse conjunto podemos listar todas as atividades culturais e de entretenimento, assim como muitas outras indústrias que buscam se diferenciar do rotineiro como estratégia de competitividade (moda, publicidade, arquitetura, design e outras). Mas a economia criativa tem uma transversalidade relacionada com outros temas muito importantes como educação, construção de experiências, empreendedorismo, inovação e desenvolvimento, por exemplo. 

 

O Mestrado Profissional em Economia Criativa, Estratégia e Inovação possibilita estudos e projetos que vão além das indústrias criativas, cujas aplicações transbordam para outros setores e podem ser mobilizadas para ganhos de competividade de empresas, criação de novos modelos de negócio, potencialização do empreendedorismo e da inovação, fortalecimento do desenvolvimento econômico das cidades, contribuição no esforço para redução das desigualdades (sociais, de gênero, raciais e outras), proposição de novos modelos educacionais, entre tantas outras possibilidades. 

 

Saiba mais sobre Economia Criativa aqui

Linhas de pesquisa

O curso está organizado em duas linhas de pesquisa.

Pesquisa ESPM

Conheça as pesquisas e ações desenvolvidas pelo
Mestrado Profissional em Economia Criativa, Estratégia e Inovação

480h

de conteúdo

4 Semestres

Conclusão do curso

Presencial

Modalidade do curso

Estrutura curricular

O Programa tem por objetivo a formação de gestores e empreendedores estratégicos em setores artísticos, culturais e criativos.

Disciplinas obrigatórias comuns

design thinking como condutor na compreensão de contextos e na construção de conhecimento estratégico e criativo. Inovação, elemento sustentador de vantagens competitivas e experiências colaborativas. Discussão do tema, fundamentos, métodos, ferramentas e processos no direcionamento. Associações para aplicação prática em processos criativos. A Inovação dentro da gestão como geradora e difusora de novos processos, produtos e serviços, em interação com o Design. Relações da inovação e do design no fortalecimento de empresas, organizações e projetos. Design thinking como conceito e método.

Créditos: 3
Carga-horária: 45h

Definições e debates sobre Economia Criativa e Desenvolvimento; Política cultural, sistemas de incentivo à cultura e empreendedorismo criativo; Emprego, trabalho e renda na economia criativa; Educação, economia criativa e desenvolvimento; Inovação na economia criativa e as estratégias de desenvolvimento; Política externa, paradiplomacia e economia criativa na promoção do desenvolvimento.

Créditos: 3
Carga-horária: 45h

A evolução do pensamento estratégico e da gestão no âmbito da economia criativa. Definição de missão e visão e valores aplicados à indústria criativa. Estratégias de concepção, de posicionamento e de rentabilidade para produtos da indústria criativa. Aplicação de aspectos da Inovação, de criatividade e de novos modelos de negócios no mundo criativo atual. Os trabalhos coletivos e o processo criativo dos negócios, empresas e os novos meios de relacionamento. Tendências da gestão nos dias atuais, seus desdobramentos e reflexos no mundo do marketing, publicidade, cultura e sociedade. Análise dos ambientes interno e externo: cenários prospectivos, oportunidades, ameaças. Ferramentas de estratégia e gestão. Aplicação de conceitos e análise de casos em economia criativa.

Créditos: 3
Carga-horária: 45h

O conhecimento científico. Concepções da natureza da ciência, da construção do conhecimento e do método do trabalho científico.  As etapas da pesquisa: concepção, planejamento (projeto), execução (método), redação. Elementos (itens) do projeto de pesquisa. Planejamento da pesquisa. O problema de pesquisa e a sua formulação. Tipos de pesquisa. Métodos e instrumentos de coleta de dados. Métodos de análise de dados. A construção do referencial teórico. Fundamentos do texto científico: normas e formatação (ABNT). Elaboração de artigos científicos, resumos e resenhas.

Créditos: 3
Carga-horária: 45h

Disciplinas obrigatórias por linha

Linha Design de experiência e estratégias de inovação

Conceitos e questões inerentes a marca, branding, comunicação e experiências multissensoriais;

Momentos paradigmáticos da história do branding; Contextos da atualidade tendo como cenário a pós-modernidade e a economia da experiência; Reflexões sobre o conceito de marca, a partir da revisitação dos conceitos e funções de ícones, símbolos, logotipos, marcas sínteses, assinaturas completas e avatares; Apresentação das dificuldades e oportunidades inerentes à gestão de marcas, em um processo transmidiático de comunicação; Exploração de como os meios multissensoriais e os dispositivos midiáticos atuam sobre as transformações culturais e as identidades sociais, de forma a representá-las ou mesmo reconstruí-las.

Créditos: 2
Carga-horária: 30

A disciplina apresenta a interação como um processo que reúne as ações do usuário sobre a interface comunicacional (seja física ou digital), e suas interpretações sobre as respostas disponibilizadas durante a manipulação. O projeto de interação é discutido em três grandes segmentos: o de usabilidade, o de comunicação e o de aplicação. A disciplina apresenta os diversos perfis de usuários, considerando as suas características físicas, emocionais e cognitivas. Ademais, as questões de acessibilidade em informação e de casos de uso especiais fazem parte do discussão proposta pela unidade curricular. Com isso, tanto a informação e interação, com ênfase no elemento humano, remetem ao usuário. Ele é e pode ser tanto o receptor quanto o emissor, jamais passivo. Ademais, o indivíduo é que decide se a mensagem que obtém é realmente informação. Nesse sentido, o encontro teórico e prático do Design de Interação e Ciência da Informação estimulam reflexões, estudos e pesquisas interdisciplinares e contribuem para compreensão deste fenômeno contemporâneo. Só existiria informação por meio da interação, ainda mais quando se sabe que a instância entre receber e criar pode ser extremamente breve. Assim, o conhecimento é uma mistura fluída e dinâmica de experiência, informação estruturada, processo cognitivo, valores e discernimento, no ato de compreender e agir na vida social. Ainda os valores emocionais (visceral, reflexivo, comportamental e simbólico) são discutidos em conjunto com o efeito do insight. Por fim, pode-se dizer que por conta da interação fluída nessa base de dados em formato visual, em geral intuitiva ao menos no modelo conceitual do projetista, remonta-se ao propósito dos computadores como ferramentas para gerar no homem novas ideias potencializando seu horizonte ao ampliarem sua visão de mundo. E, sobretudo, o Design (como atividade projetual) centrado no ser humano é, ao seu modo de ver – interpretar, conviver com o entorno social de modo holístico e ético, não sendo esquecido o potencial do ser humano e a sua capacidade inesgotável de evoluir e de aprender. Ainda assim, também considera-se a análise estratégica de valores afetivos através de Personas e de Cenários de consumo iterativos, modeladores de valência e de experiência que determinam Flow. Em última análise, se retoma o caráter onipresente que a Interação assume, ao permear todo o processo de produção e de consumo da Informação, especialmente nos tempos atuais, como um contínuo evolucionário da Sociedade da Informação e do Conhecimento.

Créditos: 2
Carga-horária: 30

Linha Gestão estratégica de setores criativos

Contextualização de Projetos Culturais para Cidades Criativas; Segurança Pública, Direitos Humanos e Diversidade em Cidades Criativas; Transportes, Mobilidade, Habitação e Meio Ambiente em Cidades Criativas; Metodologias e Execução de Projetos Culturais para Cidades Criativas; Importância e Conceituação de Projetos Culturais; Elaboração e Avaliação de Projetos Culturais para Cidades Criativas; Gestão e Prestação de Contas de Projetos Culturais.

Créditos: 2
Carga-horária: 30

Contextualização de Projetos Culturais para Cidades Criativas; Segurança Pública, Direitos Humanos e Diversidade em Cidades Criativas; Transportes, Mobilidade, Habitação e Meio Ambiente em Cidades Criativas; Metodologias e Execução de Projetos Culturais para Cidades Criativas; Importância e Conceituação de Projetos Culturais; Elaboração e Avaliação de Projetos Culturais para Cidades Criativas; Gestão e Prestação de Contas de Projetos Culturais.

Créditos: 2
Carga-horária: 30

Disciplinas optativas

Disciplinas optativas

Experiências criativas de concepção de produtos e serviços conceituais em contextos ficcionais. Desenvolvimento de projetos especulativos utilizando o estranhamento como elemento capaz de aditivar o pensamento divergente e romper paradigmas no processo criativo. Aplicação de conceitos e métodos do Design thinking em uma heterotopia ficcional; Projetos baseados na reflexão na ação; Transposição de projetos conceituais para o mundo real.

Créditos: 2

Carga-horária: 30h

Conceitos e questões inerentes à cultura, à arte e à estética e suas relações com a Economia Criativa; Contextos da atualidade tendo como cenário a pós-modernidade; Relações entre os novos meios digitais, a estética e a cultura; Relações entre equipamentos culturais e cidade.

Créditos: 2
Carga-horária: 30h

Relações entre Inovação, Estratégia e Empreendedorismo; Inovações Disruptivas; Gestão de Inovações; Ecossistemas de Inovação e Empreendedorismo; Competição entre Inovações; Competição entre Ecossistemas; Composição de Cenários Futuros; Opções Reais Estratégicas; Modelo Lean.

Créditos: 2
Carga-horária: 30h

Os conceitos aplicados do Design Centrado no Humano, Ergodesign, da Arquitetura de Informação e do Design de Interfaces, que definem o Design de Experiência (UX); a tecnologia como ferramenta e instrumento de ampliação das capacidades humanas. As definições formais que direcionam o campo de estudo para Interação Humano-Computador (IHC). A disciplina apresentará os diversos perfis de usuários, considerando as suas características físicas, emocionais e cognitivas. Com isso, em síntese, aqui está contido aspectos cognitivas, perfis de uso e usuários especiais. Ademais, as questões de acessibilidade e de casos de uso especiais fazem parte do discussão proposta pela unidade curricular. Os fatores  humanos e sua relevância na elaboração de projetos centrados no usuário: a avaliação de tarefas, o design participativo, produtos inclusivos em ambientes informacionais eletrônicos ou físicos – visando torná-los compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas. A disciplina enfatizará a noção de sistema Homem-Tarefa-Máquina (HTM) que sempre se apresentou como um dos conceitos básicos da Ergonomia. A disciplina irá enfocar a interação do homem somativa e formativa com utensílios, equipamentos, máquinas e ambientes. Os principais métodos e técnicas para projeto e avaliação de interfaces de comunicação ou de informação, onde o objetivo colher opiniões, conhecer hábitos, descobrir dados sobre a população usuária. Ainda está previsto descrever a análise da tarefa como meio efetivo para desenvolver o projeto centrado no usuário. Em perspectiva, se manifestam os desdobramentos da mobilidade tecnológica, a relação da pesquisa etnográfica com a análise da penetração tecnológica no cotidiano dos usuários. Já em sequência, segue-se com a observação no tecido social e nas mudanças de comportamento por meio da aquisição de novas competências oriundas das tecnologias da informação. Por fim, chega-se as principais técnicas de prototipagem iterativas em ciclos de desenvolvimento ágeis, de modo que através delas seja possível estimular a reflexão sobre a metodologia de intervenção, objetivando colocar o ser humano no centro da atividade projetual e gerando novos processos de desenvolvimento mais participativos.

Créditos: 2
Carga-horária: 30

A pesquisa social: conceitos. Etnografia. Observação participante. O trabalho de campo e a produção do texto etnográfico. Netnografia. Pesquisa-ação. Aplicação da etnografia e da pesquisa-ação nos contextos sociais. Possibilidades e limitações da etnografia e da pesquisa-ação como ferramentas para a pesquisa científica acadêmica e para a pesquisa de mercado.

Créditos: 2
Carga-horária: 30

A evolução recente das políticas culturais e a emergência do campo da economia criativa. A evolução das políticas culturais e de inovação no Brasil. A organização produtiva dos setores criativos. Fundamentos econômicos das políticas públicas para o fortalecimento da economia criativa. Formas e críticas às políticas voltadas para os setores criativos.

Créditos: 2
Carga-horária: 30h

A regulação da economia criativa no Brasil e no mundo; As leis de incentivo à cultura e a economia criativa no Brasil; Os direitos autorais e a economia criativa; Aspectos legais da inovação relacionados à economia criativa; Direitos humanos e economia criativa.

Créditos: 2
Carga-horária: 30

Relações do turismo com os conceitos multidimensionais de cultura e criatividade. Questões e debates relativos ao turismo no âmbito das indústrias criativas e da economia da cultura. Relações do turismo com a produção cultural e a criativa em cidades e territórios. Relações entre patrimônio, economia e turismo. Relações entre equipamentos culturais e cidade. Debates sobre concorrência e estagnação no setor de turismo cultural e o desenvolvimento de alternativas criativas.

Créditos: 2

Carga-horária: 30h

Conceito de informação; Paradigmas qualitativos e quantitativos; Design informacional. Visualização da informação. Infografia. Análise qualitativa e quantitativa. Fundamentos e ferramentas estatísticas; Análise estatística; Critérios de eleição e adequação de método e técnicas. Data Storytelling; Ferramentas de visualização de dados.

Créditos: 2
Carga-horária: 30h

Atividades Complementares

Carga horária: 30h

Essas atividades têm por objetivo manter o curso atualizado com as demandas acadêmicas e do mercado: Participação em laboratório de pesquisa, Práticas inovadoras nas empresas, Palestras de curta duração, Mini cursos, Viagens de estudo e técnicas, Participação em eventos científicos, Apresentação de trabalhos, Workshops, EAD, Publicação em Revistas técnicas profissionais e Qualis, bem como em Anais de eventos.

Exame de conclusão de curso, o qual pode ser apresentado no formato de uma dissertação ou de um produto.

TOTAL: 32 créditos (carga horária: 480 horas)

Créditos exigidos em disciplinas obrigatórias: 12 (180 horas)

Créditos exigidos em disciplinas obrigatórias na sua linha de pesquisa: 4 (60 horas)

Créditos exigidos em disciplinas optativas (eletivas): 6 (90 horas)

Créditos em atividades complementares: 2 (30 horas)

Créditos em orientação de dissertação: 8 (120 horas)

Processo de seleção

Saiba como funciona cada etapa do processo de seleção
0

INSCRIÇÃO

0

Avaliação da carta de apresentação da candidatura

0

Prova oral (via zoom)

0

Prova escrita de língua estrangeira (inglês)

A carta de apresentação da candidatura deverá ser redigida em português e digitada em fonte Times New Roman corpo 12, entrelinha 1,5, papel modelo A4 e margens de 3 cm, obedecendo às normas da ABNT.

 

A carta deve respeitar a seguinte estrutura:

 

a) capa, contendo:

  • Nome do candidato;
  • Linha de pesquisa selecionada;
  • Local e ano.

b) conteúdo, em duas partes:

 

Parte 1 – Apresentação do candidato 

  • Contexto Formativo / Trajetória Acadêmica e Profissional
  • Motivações para cursar mestrado
  • Razões para a escolha do MPGEC (considere a escolha do campo da Economia Criativa e do programa da ESPM Rio)

 

Parte 2 – Proposta de Pesquisa

  • TÍTULO: Apresentação do título da proposta de pesquisa.
  • TEMA: Apresentação do tema da pesquisa. Redija um texto que deixe claros o fenômeno a ser pesquisado, o contexto em que está inserido e as ideias de pelo menos dois autores que dialoguem com o tema. Apresente também a aderência do tema ao campo da economia criativa e à linha de pesquisa indicada.
  • OBJETIVOS: Descrição de forma clara e sintética do que se deseja alcançar com a elaboração da pesquisa. Os objetivos de pesquisa devem ser resultados tangíveis e/ou mensuráveis. O tempo verbal para construção do objetivo é o presente do infinitivo (exemplos: identificar, descrever, verificar, analisar, comparar, medir e outros).
  • RELEVÂNCIA: Apresentação da potencial importância da pesquisa e da sua contribuição para a sociedade e/ou o mercado.
  • MÉTODOS E TÉCNICAS SUGERIDOS: Indique como a pesquisa poderá ser realizada para o alcance dos objetivos estabelecidos. (Por exemplo: entrevista, aplicação de questionário, análise documental ou outros.)
  • REFERÊNCIAS: Listar livros, artigos e outros materiais consultados para a elaboração da proposta de pesquisa.

O edital é essencial, pois nele estão detalhadas todas as informações e diretrizes cruciais para participar do processo seletivo. É por meio dele que você candidato terá acesso a todas as orientações necessárias, garantindo transparência, igualdade de oportunidades e conformidade com os requisitos estabelecidos.

BAIXAR O EDITAL

*O link do processo seletivo on-line será enviado por e-mail após o pagamento da taxa de inscrição.

**Não reservamos vaga para candidatos aprovados. Garanta sua vaga efetuando a matrícula, conforme disponibilidade de vagas para o curso.

Aqui você aprende com os melhores profissionais do mercado.

“O nosso programa é orientado para a solução de problemas complexos geradores de inovação e ganhos de competitividade para empreendedores e empresas; melhores políticas públicas para os governos; e melhoria de qualidade de vida para a população em geral.”
João Luiz de Figueiredo e Silva
João Luiz de Figueiredo Silva
Coordenador do curso
Professores do curso

Livros e e-books publicados por Docentes e Discentes

Conheça as nossas publicações e amplie seu conhecimento em uma variedade de temas relevantes para sua formação e pesquisa.

Mestrado Profissional em Economia Criativa, Estratégia e Inovação

Início das aulas: 01/03/2024

Matricule-se

Informações sobre o curso de Mestrado Profissional em Economia Criativa, Estratégia e Inovação

Modalidade: Presencial

Data de início: 02/08/2024

Período: Noturno e vespertino

Aulas: Às sextas-feiras e aos sábados

Horário: Às sextas-feiras das 18h45 às 22h30, e aos sábados das 8h às 16h30

Mestrado Profissional em Economia Criativa, Estratégia e Inovação

Selecione a opção do curso para continuar

20% DE DESCONTO

No valor de todas as mensalidades do curso para alunos e ex-alunos da graduação e pós-graduação ESPM. O desconto não é acumulativo.

 

5% DE DESCONTO

No valor de todas as mensalidades do curso para alunos e ex-alunos dos cursos de extensão da ESPM. O desconto não é acumulativo.

  • RG e CPF (originais)
  • Histórico original de curso superior
  • Diploma de curso superior reconhecido pelo MEC, com carga horária mínima de 1600 horas-aula. Na ausência do diploma, o estudante poderá entregar certificado, atestado ou declaração de conclusão de curso com a descrição da data de colação de grau, qual será aceito temporariamente, ficando sob a responsabilidade do estudante a entrega posterior do referido diploma (originais)

No caso de diplomas internacionais, é necessária a sua tradução juramentada, consularização pelo Brasil no país de origem e revalidação, de acordo com a Resolução nº.8, de 4/10/07, do Conselho Nacional de Educação (CNE), disponível em: http://portal.mec.gov.br

FAQ

Perguntas Frequentes

Ficou com alguma dúvida? Dê uma olhada aqui:

Os cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu são programas acadêmicos de nível avançado que englobam mestrado e doutorado. Eles têm uma duração longa, geralmente com duração de, aproximadamente, 2 anos para o mestrado e 4 anos para o doutorado. O objetivo central desses cursos é formar lideranças capazes de trazer avanços para o conhecimento em suas áreas através de pesquisas de alto nível. Durante o curso, os(as) estudantes devem completar créditos de disciplinas obrigatórias e eletivas e realizar pesquisas originais em sua área de estudo. Ao final do programa, a pesquisa desenvolvida pelo(a) estudante é apresentada e avaliada por uma banca examinadora como parte dos requisitos para a conclusão do curso. A ênfase, aqui, está nas atividades de pesquisa, permitindo que os(as) alunos(as) desenvolvam habilidades e produzam trabalhos acadêmicos, técnicos e tecnológicos originais que contribuam para o avanço do conhecimento em seu campo. Durante o curso, os(as) alunos(as) desenvolvem habilidades críticas de análise, pesquisa, redação acadêmica e apresentação, que são transferíveis para muitos campos profissionais.

Sim. É necessária a aprovação da CAPES para um curso Stricto Sensu funcionar.

 

A CAPES é uma fundação vinculada ao MEC, que regula e avalia todos os cursos de mestrado e doutorado do país.

No caso do Mestrado, todo(a) estudante que tenha um curso de graduação concluído, desde que aprovado em processo seletivo da própria ESPM.

No caso de Doutorado, todo(a) estudante do curso de Mestrado, desde que aprovado em processo seletivo da própria ESPM.

Sim, isso é cada vez mais comum, posto que os limites entre as disciplinas estão cada vez mais fluidos.

 

No caso do PPGECEI (MPGEC), especificamente, como não existe graduação em Economia Criativa, as turmas são formadas por estudantes oriundos(as) de várias áreas do conhecimento, e o curso é considerado interdisciplinar.

 

Assim, os(as) estudantes, além de optarem pelos cursos do MPCC, PPGA, PPGCOM e PPGECEI (MPGEC), muitas vezes diferentes do escolhido na graduação, podem ser instruídos(as) pelos docentes a mudarem de linha de pesquisa para adequarem melhor o seu projeto, visto que ele será a base de todo o seu curso.

Sim, os cursos Stricto Sensu (literalmente: de sentido específico, e não amplo) são os mestrados, mestrados-profissionais e doutorados, que habilitam o(a) egresso(a) a dar aula em cursos de graduação, pós-graduação lato sensu e pós-graduação stricto sensu (no caso do doutorado).

O mestrado acadêmico e o mestrado profissional são dois tipos diferentes de programas de pós-graduação, e suas principais diferenças estão relacionadas aos objetivos e à abordagem:

 

  1. Mestrado Acadêmico: O mestrado acadêmico é voltado principalmente para a pesquisa acadêmica e científica. Ele enfatiza o aprofundamento do conhecimento teórico e a produção de pesquisa original. Os(as) estudantes de mestrado acadêmico geralmente conduzem estudos mais teóricos e têm como objetivo contribuir para o avanço do conhecimento em sua área de estudo. É uma escolha indicada para aqueles(as) que desejam seguir carreiras acadêmicas, como professores(as) universitários(as) e pesquisadores(as), e querem se destacar em suas respectivas áreas de estudo. Além da academia, o mestrado acadêmico também pode abrir portas para carreiras em pesquisa em instituições governamentais, empresas privadas e organizações sem fins lucrativos que valorizam habilidades de pesquisa e análise.
  2. Mestrado Profissional: O mestrado profissional, por outro lado, está mais direcionado para as demandas do mercado de trabalho. Ele tem um foco prático e aplicado, com o objetivo de preparar os(as) estudantes para solucionar problemas e inovar no ambiente profissional. Os programas de mestrado profissional costumam ser mais orientados para o desenvolvimento de habilidades práticas e competências que podem ser aplicadas diretamente em empresas e organizações. É uma escolha adequada para profissionais que desejam avançar em suas carreiras ou buscar oportunidades de liderança em suas áreas de atuação.

 

Ambos os tipos de mestrado conferem o grau de mestre(a), mas o enfoque e as metas de aprendizado são distintos. Portanto, a escolha entre um mestrado acadêmico e um mestrado profissional depende dos objetivos individuais de carreira e das aspirações profissionais de cada estudante.

Não, o título obtido é rigorosamente o mesmo. Ambos os tipos de mestrado conferem o grau de mestre(a), mas o enfoque e as metas de aprendizado são distintos. Portanto, a escolha entre um mestrado acadêmico e um mestrado profissional depende dos objetivos individuais de carreira e das aspirações profissionais de cada estudante.

Aqui, você desenvolve uma pesquisa científica com aplicação prática. Os(as) mestres(as) formados no MPCC podem atuar tanto na carreira acadêmica, pois o título de mestre(a) permite que atuem como docentes em universidades e/ou prossigam para um Doutorado; quanto seguir na carreira executiva, levando o ferramental científico para diagnosticar e resolver problemas nas organizações, especialmente nas áreas de negócios, marketing e relações com consumidoras(es). Essa aplicação prática do conhecimento é particularmente valiosa para empresas que buscam uma vantagem competitiva no mercado.

Neste programa são abordados tópicos e temas de pesquisa voltados às necessidades e demandas das organizações nacionais e internacionais com objetivos como crescimento e perenidade e que, para tanto, estão em busca de profissionais capazes de desenhar as estratégias que as levem a caminhar com solidez e segurança, mesmo em cenários de turbulenta transformação. Tanto no Mestrado quanto no Doutorado, os(as) mestres(as) e doutores(as) atuam na carreira acadêmica.

Este programa tem por especificidade articular o campo da comunicação aos estudos do consumo. Ele parte da perspectiva de que o consumo é um comunicador das nossas relações sociais mais amplas e de que os meios de comunicação de massa fazem um papel de mediação das várias culturas do consumo. Por isso, interessa ao programa pesquisas que investiguem como as culturas midiáticas e os simbolismos do consumo estão articulados. É um programa voltado à análise crítica sobre a sociedade de massa e do consumo, sobre as culturas midiáticas e digitais e sobre as narrativas midiatizadas sobre o consumo, o que inclui o estudo de teorias clássicas e a discussão de abordagens contemporâneas.

 

O PPGCOM mantém sua missão de formar docentes e investigadores(as) com qualidade e competência para assumirem responsabilidades pela execução e liderança nas atividades de pesquisa, orientação e ensino na área de Comunicação, em âmbito nacional e internacional. Tanto no Mestrado quanto no Doutorado, os(as) mestres(as) e doutores(as) atuam na carreira acadêmica, bem como na articulação da pesquisa com ONGs, empresas privadas e setores da sociedade civil.

1) BOLSAS DE PESQUISA (bolsas das agências de fomento): Estas bolsas são disponibilizadas aos Mestrados e Doutorados do PPGA e PPGCOM. Com esta bolsa, você recebe da CAPES um financiamento/ uma ajuda para custear as suas pesquisas. O EPAP é o departamento responsável pelo controle delas.

 

  1. a) PROSUP INTEGRAL: Esta bolsa é 100% integral. Você não paga nada por ela, recebe um valor que remunera a sua pesquisa e não há repasse para a ESPM.
  2. b) PROSUP TAXA: Com esta bolsa, a CAPES proporciona a você um financiamento de R$800,00, cujo repasse é feito para a ESPM.
  3. c) SANDUÍCHE – PDSE/CAPES (Programa de Doutorado Sanduíche Exterior): A concessão das bolsas CAPES/PDSE acontece por meio do edital de seleção na modalidade de doutorado sanduíche, que tem o objetivo de fomentar o intercâmbio científico internacional e a qualificação acadêmica de estudantes no Brasil. A duração da bolsa é de, no mínimo, seis meses e, no máximo, doze meses. O objetivo central do programa é que os(as) estudantes de doutorado possam ter um período de experiência de pesquisa no exterior, sob supervisão de uma universidade e de orientador estrangeiros. A duração e o remanejamento das bolsas ficam condicionadas às normas vigentes da CAPES.

 

OBS.: As bolsas só começam a ser válidas a partir da segunda mensalidade, ou seja, você deve arcar com a matrícula e a primeira mensalidade.

 

2) DESCONTO SOBRE MENSALIDADE

 

  1. a) DESCONTO SOBRE MENSALIDADE (ex-aluno) – 5%

– Desconto de 5% no valor integral, se você for concluinte dos cursos de curta duração, extensão e de férias.

  1. b) DESCONTO SOBRE MENSALIDADE (ex-aluno) – 20%

– Desconto de 20% no valor integral, se você for concluinte da Graduação e Pós-Graduação (Lato e Stricto – Mestrado ou Doutorado).

 

NOTA AO SAE: Caso um(a) aluno(a) ESPM opte pelo desconto, não poderá pleitear nenhuma outra bolsa, pois as bolsas não são cumulativas.

Quer atendimento personalizado e saber mais sobre o curso?

Deixe seus contatos e falaremos com você:

Onde o curso acontecerá?

ESPM Glória-Villa Aymoré

Ladeira da Glória, 26 – Glória, Rio de Janeiro – RJ

Ficou com alguma dúvida? Podemos te ajudar:

Central de Relacionamento Pós-graduação
De segunda a sexta-feira das 8h às 20h 

Visite a ESPM

Participe da visita guiada e aproveite para esclarecer todas as suas dúvidas.

Quem viu este curso gostou destes também...

Acha que este ainda não é o seu curso dos sonhos? Sem problemas, dê uma olhada nestas opções: