Acesso exclusivo para Estudantes e Professores
0
Total R$ 0

Pós-graduação ESPM

Master ESG na Prática

Em parceria com Impact Hub São Paulo

AULA INAUGURAL: 30/04/2024

Sobre o curso

O Master ESG na Prática tem como objetivo principal contribuir de forma consistente com a preparação de profissionais para lidar com o cenário complexo e dinâmico que a Agenda ESG vem apresentando.

Essa contribuição se dará a partir de técnicas, disciplinas e abordagens que orbitam a ética, a sustentabilidade, a responsabilidade social, o relacionamento com stakeholders, gestão de risco dos aspectos ESG (ambiental, social e de governança) a comunicação, e diversas outras perspectivas que contribuem para a evolução as organizações rumo a novos paradigmas.

Master ESG na Prática

Início das aulas: 30/04/2024

Dias da semana: Às terças e quintas-feiras

Período: Noturno

Horário: Das 19h30 às 21h30

Carga horária: 495h

35X R$ 662,94

R$ 100.00

Taxa de inscrição para o processo seletivo

Inscrições até: 26/04/2024

Modalidade

Live EAD

Tenha liberdade para adequar o curso à sua agenda e localização. Você pode escolher participar das discussões nas aulas online, via Zoom, ao vivo ou assistir às gravações das aulas no momento em que você quiser e puder. *Na pós-graduação Live EAD, a apresentação do projeto final do curso é presencial.

Eventos ESPM

Conheça todos os detalhes do nosso curso, converse com o coordenador e decida o futuro da sua carreira.

Pensamento estratégico em marketing: uma roda de conversa entre coordenadores dos cursos da ESPM e executivos do mercado

18.MAR
Online, das 20h às 21h

Storytelling de Dados: como unir a compreensão de contextos e tendências comportamentais ao "Data Driven Decision"

21.MAR
Online, das 20h às 21h

Aula aberta: Mudanças climáticas: como as empresas estão reportando as suas práticas?

1.ABR
Online, das 20h às 21h30

Sobre o curso

Investimentos Sustentáveis

A Agenda ESG se apresenta como um novo enfoque na gestão de riscos sociais, ambientais e de governança, no contexto da sustentabilidade corporativa. A temática surgiu e ganhou força com a demanda dos acionistas para reduzir riscos em seus investimentos a partir de crises ou escândalos nos aspectos ESG.

Os investimentos sustentáveis alcançam metas recorde ano a ano, os acordos internacionais vêm obtendo um número crescente de empresas interessadas em comprometer-se com novas práticas, mais sustentáveis, mais cuidadosas com o meio ambiente e com a sociedade.

As empresas começam a despertar de forma mais consistente para o diferencial competitivo que pode representar antecipar-se às mudanças, e oferecer também a busca por uma cultura sustentável como valor de captação, desenvolvimento e retenção de talentos.

A sociedade aumenta a cada dia sua exigência em relação a estes aspectos, e os frameworks e ratings para Relato ESG tornam-se cada vez mais complexos, e demanda atualização constante.

Para esse cenário desafiador, recrutamos um time especial de docentes para a jornada. Bem-vindo ao Master ESG na Prática, conheça nosso programa.

 

Justificativa

O mercado demanda um entendimento firme sobre as novas e reais contribuições da Agenda ESG para a trilha da sustentabilidade, que já vem sendo desenvolvida desde a segunda metade do século passado. 

É certo que a Agenda ESG traz novas preocupações e uma intensificação das exigências. No entanto, em essência, estamos apontando para a mesma direção da responsabilidade social corporativa. Entender as nuances do mercado financeiro é fundamental, enquanto seguimos desenvolvendo a capacidade de implementar a sustentabilidade nas culturas das organizações, vencer resistências, superar o greenwash, e gerar valor compartilhado para a sociedade. 

 

Abordagem Ambidestra

A Agenda ESG convoca as empresas para a medição de impacto, gestão de risco, para a aplicação de tecnologia, impulsiona as certificações, e todos os esforços legítimos para o avanço da pauta.

Navegar em tempos complexos envolve, porém, uma capacidade ambidestra, o que inclui dominar a técnica preservando os valores essenciais para disciplinas tão finas como ética, ecologia e sustentabilidade.

Além do Master ESG na Prática contemplar toda a gama de disciplinas de gestão, imprescindíveis para a Agenda (Finanças Sustentáveis, Governança, Gestão de Risco, Relato ESG, entre outras) vemos como fundamental a reflexão filosófica, a visão crítica, e o entendimento das dinâmicas culturais das organizações são essenciais para realizarmos intervenções efetivas e transformadoras.

A realidade organizacional é produzida por mentes e corações. Sabemos que a transformação do comportamento humano é o que fundamenta todas as inovações. Assim, é necessário que investiguemos novas narrativas, perspectivas que dialoguem com cultura organizacional, diversidade, branding, transformação digital, economia circular, e outras pautas contemporâneas.

Temos, portanto, um programa completo, que alia competências técnicas, a perspectivas sistêmicas, humanas e holísticas, que conjugam o conjunto de disciplinas necessárias para os desafios postos na sociedade contemporânea.

 

Eventos Presenciais

Rede temática

Encontros presenciais, durante um sábado do mês de junho, em São Paulo, que proporcionam networking entre professores, executivos e estudantes dos cursos de Pós-Graduação EAD.

Próxima data: 29 de junho de 2024, das 10h às 16h
Local: Campus Álvaro Alvim

Participação voluntária.
O calendário da rede temática integrará o calendário acadêmico do curso.  Qualquer despesa de deslocamento e acomodação é de responsabilidade do estudante.

Apresentação do trabalho de conclusão do curso

Ao término do curso, os estudantes apresentarão presencialmente o trabalho de conclusão do curso (TCC) para uma banca de professores. A apresentação ocorre em uma das unidades da ESPM, São Paulo, Rio de Janeiro ou Porto Alegre.

ESG na Prática
Áreas temáticas

O curso de Master ESG na Prática está classificado na área de Marketing, Estratégia e Gestão. Mas você também terá a oportunidade de adquirir conhecimento em outras áreas. Veja como as disciplinas do curso se dividem:

Para quem se destina

O Master ESG na Prática é direcionado a graduados em qualquer área do conhecimento e a empreendedores que querem desenvolver e aprofundar de forma consistente seu conhecimento a respeito da Agenda ESG, da Responsabilidade Social e Sustentabilidade, com perfis que podem incluir:

  • Profissionais que atuam com gestão da responsabilidade social corporativa e pretendem se atualizar neste campo, se desenvolver na avaliação de práticas ligadas a ESG, e principalmente aprofundar seus conhecimentos e competências nos mais diversos âmbitos desta agenda.
  • Gestores que buscam novas perspectivas de transformação organizacional, a partir da abordagem da cultura organizacional
  • Empresários(as) que querem dirigir seus empreendimentos rumo a práticas mais sustentáveis, e buscam conhecer novas perspectivas, exemplos e caminhos.
  • Estudantes e Empreendedores que querem conhecer melhor este campo, que atrai profissionais em busca de exercer seu propósito de vida em negócios mais sustentáveis.

Pré-requisito

Graduação concluída no Brasil ou graduação concluída no exterior e reconhecida pelo MEC.

Perfil do egresso

O estudante egresso do Master ESG na Prática será capaz de:

  • Analisar criticamente projeto de educação de sustentabilidade.
  • Discernir com clareza e de forma críticas as principais vertentes da sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade social corporativa, economia circular, economia regenerativa, entre outras.
  • Analisar informações relevantes no campo do investimento sustentável, como forma de entender melhor o contexto da Agenda ESG.
  • Conhecer e analisar criticamente a evolução e papel da Governança na Agenda ESG.
  • Distinguir e analisar criticamente ações de comunicação de forma a não incorrer em greewashing, e como e quando comunicar o propósito das organizações.
  • Conhecer as inovações do mercado rumo ao ESG Data, e como a abordagem pode contribuir para o Due Diligence.
  • Desenvolver conceitualmente modelos de negócios sustentáveis.
  • Conhecer a realidade crítica do contexto do antropoceno e do colapso ecológico iminente.
  • Articular diferentes ferramentas e processos pertinentes à responsabilidade social, tais como: relato, investimento social, relacionamento comunitário, gestão de riscos entre outras.
  • Desenvolver e conduzir práticas colaborativas para desenvolver projetos voltados para implantação da sustentabilidade e responsabilidade social corporativa nas organizações onde atuam.
  • Refletir à luz da filosofia os aspectos e dilemas éticos que estão sempre presentes na vida organizacional e na implantação da sustentabilidade.
logo_impact-hub

Em parceria com Impact Hub São Paulo

Há 15 anos empreendendo e fomentando o impacto social no Brasil, o Impact Hub São Paulo é o segundo mais antigo do mundo. Seu nascimento é marco oficial do início da maior rede global e colaborativa de impacto, hoje presente em 110 cidades de 60 países diferentes. Sua missão é criar inovação inclusiva e sustentável em escala, a fim de transformar o mundo em um lugar melhor, onde o dinheiro e os negócios trabalhem a favor das pessoas e do planeta. Especialista em metodologias de aceleração, educação empreendedora, inovação aberta e gestão de comunidades, o Impact Hub São Paulo desenvolve soluções para conectar pessoas empreendedoras, ajudá-las a se desenvolver e a fazer seus negócios crescerem enquanto ampliam seu impacto positivo na sociedade.

O que você irá aprender

O programa do curso tem uma composição que reflete a experiência da ESPM no desenvolvimento de profissionais alinhados as necessidades dos diferentes agentes que integram o mercado.

 

As disciplinas serão conduzidas por professores com vivência profissional, tanto no mercado quanto acadêmica, nos respectivos temas, e apresentam os conteúdos por web conferência ao vivo, o que possibilita grande interação entre professores e estudantes, com discussão de cases, análises de textos e indicações bibliográficas relevantes e atuais. 

Apresentar a estrutura e o funcionamento geral do curso, o funcionamento do ambiente de aula e do trabalho final.

Ambiente para contato direto com a coordenação do curso e demais estudantes.

A história da sustentabilidade, a ética como princípio original da sustentabilidade, e o desenvolvimento histórico da Responsabilidade Social Corporativa até a Agenda ESG. Veremos as principais noções sobre a temática, e os motivos que fizeram a Agenda ESG eclodir nos últimos anos, e entender suas principais ênfases e contribuições. A disciplina funciona como introdução ao curso, onde veremos de forma consistente a abordagem do Master, que busca preservar os valores da sustentabilidade como parte essencial dentre as práticas que costuma ser associadas à disciplina.

Ética, moral e a importância dessa temática. A atual crise ética, o debate nas empresas e os critérios para uma ação ética. O sentido de trazer a discussão da ética para dentro das empresas no mundo globalizado. A relação entre ética, responsabilidade social e sustentabilidade. Estratégias e instrumentos para o desenvolvimento de uma cultura ética. A ética como fundamento dos relacionamentos com os stakeholders e da competitividade.

O objetivo dessa disciplina é possibilitar ao profissional de ESG uma reflexão sobre como as atividades humanas estão impulsionando mudanças climáticas com transformações significativas nos padrões de temperatura na Era da Fervura Global (António Guterres, 2023) e o seu papel em implementar ações climáticas que busquem um modelo de transição justa para negócios sustentáveis e inclusivos, reduzindo a emissão de gases de efeito estufa sem acentuar desigualdades socioeconômicas. Para tanto, analisaremos o contexto histórico e atual da governança global, além de instrumentos de políticas climáticas que visam garantir que a ação climática global e local protejam o planeta, as pessoas e a economia, “sem deixar ninguém para trás” (Ursula von der Leyen, 2019).

A educação convencional segue uma trajetória linear de aquisição de conhecimento, onde cada passo nos equipa de um saber que promete nos preparar para lidar com o que vem depois. Um caminho que privilegia um saber racional, objetivo e teórico, que se distancia das qualidades, da complexidade e imprevisibilidade de nossa participação no mundo.

Como seria uma educação que nos prepara para uma atuação ética, sustentável e regenerativa que responda à complexidade do momento atual?

A disciplina será um espaço de cultivo de nossa capacidade de percepção, reflexão e ação a partir de nossas experiências reais vividas. Iremos explorar coletivamente um saber que nasce da prática, e que nos retira do automatismo em que estamos mergulhados.

Nesta disciplina o estudante verá como todos os aspectos da Governança Corporativa, incluindo o processo de tomada de decisão da instituição, a sua estruturação e organização dentro dos princípios da Governança, e qual sua contribuição para a evolução crescente envolvendo: definição de agentes de governança, Auditoria interna, gestão de risco, controladoria e principalmente compliance. Demonstraremos como isso contribuiu para ampliar a Agenda ESG dentro das organizações, do 1°, 2° ou 3° setor.  Veremos como o Mercado de Capitais pode ser uma excelente opção para todas as organizações alocarem seus recursos em títulos vinculados a Agenda ESG e também ser um caminho a ser seguido pelas organizações do 2° setor, como forma de se captar e realizar a abertura de capital.

A disciplina tem como objetivos apresentar (a) os impactos do mercado financeiro na transformação de empresas listadas e não listadas, por meio dos instrumentos financeiros (ações, títulos de dívida, investimento privado) e oportunidades que incentivam a agenda ESG, (b) os principais esforços do setor financeiro, dos reguladores e autorreguladores para a definição de parâmetros consistentes para mitigação de riscos sociais, ambientais e de governança em busca de investimentos sustentáveis, (c) e um panorama sobre as melhores práticas de relacionamento com investidores no contexto atual.

Questões ambientais e sociais se tornaram fundamentais em decisões de investimentos e nas análises de riscos, pressionando diretamente o setor empresarial e a governança das organizações.  A agenda ESG nasceu a partir do entendimento que as questões ambientais, climáticas, sociais e de governança são capazes de gerar significativos riscos financeiros. A gestão de riscos ganha crescente importância nas organizações e nos fundos de investimentos, tornando fundamental a análise das vulnerabilidades das empresas.

A disciplina tem como objetivo detalhar e aprofundar de forma prática a discussão sobre gestão de riscos ambientais, climáticos, sociais e de governança, relacionando aos riscos reputacionais e estratégicos de uma organização e sinalizando a interferência em riscos financeiros de acordo com a agenda ESG.

Esta disciplina oferece uma visão abrangente do ecossistema de índices, frameworks e ratings no contexto do relatório ESG (Ambiental, Social e Governança) do conceito de Materialidade (e Dupla Materialidade) passando por: (a) abordagem da diversidade de estruturas disponíveis para avaliar e comunicar práticas sustentáveis das empresas, (b) convergência entre diferentes frameworks e normas, incluindo as IFRS (S1 e S2), SASB, Relato Integrado, para alcançar uma comunicação globalmente comparável, (c) análise de relatórios de sustentabilidade, indicadores, metas e riscos e oportunidades associados (d) a integração da sustentabilidade nos aspectos financeiros e como isso afeta o mercado de capitais, (e) ISE B3, e estudos de casos práticos analisando sua relevância e correlação com o desempenho financeiro das empresas listadas.

Uma das principais temáticas da agenda ESG é a questão da Diversidade e Inclusão, a fundamental necessidade de se respeitar grupos minoritários historicamente marginalizados. A promoção de acesso às mesmas oportunidades e espaços, de forma equitativa, é urgente e demandado pela sociedade. Esse processo é cada vez mais relevante para atrair e reter talentos, gerar simpatia e adesão de consumidores, permitir melhores negociações com o mercado financeiro, fornecedores e clientes.

Hoje o reconhecimento de que as desigualdades socais são impedimentos para a sustentabilidade dos negócios desperta a importância estratégica em relação ao tema e passam a compor o dashboard de grandes empresas.

A disciplina trata os fundamentos e objetivos do crescente reconhecimento da temática pelo aspecto financeiro e a necessidade da humanização das relações interpessoais, com respeito e empatia.

A disciplina pretende fortalecer a comunicação interpessoal dos profissionais que atuam na Agenda ESG, ressignificando e facilitando as conversas difíceis no contexto organizacional como oportunidades de tratar resistências e resolver conflitos de forma prática, tendo por base abordagens criativas e metodologias baseadas no diálogo.

Vamos conhecer:  O desafio da complexidade e o pensamento vivo. O ‘facilitador anfitrião’ e o desafio do engajamento dos públicos de interesse. Guia rápido para conversas significativas. Diálogo passo a passo. Escutatória, silêncio e boas perguntas. Cocriando espaços de aprendizagem nas organizações. Para que servem os conflitos? As ferramentas do diálogo: quais, como e quando utilizar?

O objetivo da disciplina é discutir a convergência entre as políticas públicas e as iniciativas privadas no campo da sustentabilidade corporativa, incluindo o investimento social. Partiremos da análise do ciclo e dos atores envolvidos no processo de formulação, execução e avaliação das políticas públicas para explorar oportunidades e sinergias na implementação da Agenda ESG nas empresas. Iremos refletir sobre o papel do setor privado na articulação e diálogo intersetorial para a promoção de transformações sistêmicas e de impacto social.

O relacionamento com comunidades e demais stakeholders de um determinado território é fundamental para a proteção do capital de credibilidade da empresa e para a construção de um ambiente de desenvolvimento mútuo e sustentável. Por isso, a gestão do relacionamento deve investir na identificação, eliminação ou mitigação dos impactos potenciais e reais de suas atividades que possam afetar negativamente os públicos com os quais se relaciona.

Com base nessa premissa, a disciplina trará um conjunto de conceitos e práticas de relacionamento comunitário (comunidade, desenvolvimento territorial, relações de poder), estratégia de mapeamento e classificação dos stakeholders, métodos de engajamento comunitário, mediação de conflitos e integração das práticas de relacionamento comunitário com os resultados do negócio (ODS, GRI, ISEB3, ABNT PR 2023 ESG) e potencialização de impactos positivos.

Os estudantes deverão então concluir a disciplina capazes de compreender a necessidade de um novo paradigma de conduta organizacional, que seja transformacional, transparente e perene, por meio da construção de confiança e de uma legitima geração do valor compartilhado entre comunidades e empresas.

A disciplina se propõe a apresentar a estrutura da legislação ambiental vigente e os seus princípios fundadores, a partir da abordagem da necessidade da conformidade legal como elemento fundamental na definição de uma segurança institucional para as organizações, com foco no licenciamento ambiental.

Vermos como oportunizar negócios e minimizar os riscos para as instituições, através do entendimento do cenário global e nacional de mudanças climáticas e dos mecanismos legais associados ao mercado de carbono.

A disciplina tem como objetivo abordar o conceito de Economia Circular no âmbito da inovação em negócios e preparar profissionais para o reconhecimento de oportunidades em diversas áreas, capacitando-os em relação aos preceitos e práticas reconhecidas internacionalmente e quanto aos termos apropriados para a comunicação de projetos e tecnologias aplicados ao tema.

A disciplina tem como objetivo apresentar a perspectiva das teorias de cultura organizacional e de Design Organizacional como fonte potente de geração de sentido e ressignificação das práticas de responsabilidade socioambiental corporativa, a partir de um olhar humano sobre a gestão. Pretende-se despertar o olhar dos gestores para o público interno, para os comportamentos valores organizacionais como coração e motor de toda e qualquer transformação organizacional, e refletirmos sobre o potencial destas perspectivas para a implantação sistêmica da Agenda ESG.

Nesta disciplina, veremos: liderança e prática empreendedora com foco no avanço de estratégias de impacto utilizando a força de médias e grandes empresas; relevância; competências intraempreendedoras de impacto; autoavaliação do líder; cultura intraempreendedora e pontos estratégicos de um projeto Intraempreendedor.

A era digital trouxe velocidade de comunicação, ampliou o potencial de engajamento e a vigilância permanente por parte do público, que cobra das empresas atitudes reais em relação a suas expectativas. Green Wash não engana mais ninguém, fazer uma coisa e comunicar outra gera problemas de reputação, práticas não sustentáveis podem levar ao “cancelamento” de uma marca e impactar o valor de uma empresa no mercado.

Vamos discutir como as empresas podem construir e comunicar marcas considerando as atuais demandas da sociedade.

A disciplina apresenta uma visão contemporânea, tanto teórica como prática, no recente e fascinante campo da Governança Ambiental, Social e Corporativa validada pelo Big Data. O conteúdo explora a cadeia produtiva consciente e sustentável promovendo uma aproximação frutífera da Economia com outros campos do conhecimento, como a Inteligência Artificial, Data Analysis, Mudanças Climáticas, Sustentabilidade, Sociologia e Ética. Traz ainda o benefício de sistematizar e concentrar em uma única área elementos fundamentais sobre como devemos rastrear escolhas sustentáveis pela grande maioria das corporações.

O empreendedorismo de impacto atrai a atenção especial pela oportunidade de iniciar um negócio com a essência da sustentabilidade. A pandemia provou mudanças profundas no mundo, e muitos se sentem chamados para recomeçar através do propósito, em busca de uma vida com mais sentido. Como iniciar uma empresa que possui sua base fincada em propósitos que extrapolam os ganhos financeiros?  A disciplina irá explorar e focar em novos modelos de negócio que alinham lucro e respeito a sociedade e ao meio ambiente.

As crises econômicas sucessivas, pandemias, desigualdade social, mudanças climáticas, dentre outros vem desafiando exponencialmente a humanidade em endereçar suas necessidades. O setor privado, os governos e as instituições contemporâneas precisam acompanhar as mudanças cada vez mais intensas e velozes de uma sociedade digital em rede. A partir desses desafios, novos modelos econômicos e novas formas de organização social vem surgindo desde o fim do século XX, como a economia colaborativa, economia solidária, economia do bem comum, redes de transição, Doughnut Economy, e muito mais.

O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) poderá ser desenvolvido no campo da sustentabilidade e ESG, em diferentes abordagens a partir do interesse do estudante e de acordo com a proposta metodológica da coordenação do curso.

Além da carga horária da disciplina, serão necessárias horas adicionais para a elaboração e finalização do Projeto de Conclusão Aplicado.